segunda-feira, 18 de novembro de 2013

Crítica: Red Aposentados e Perigosos | Um Filme de Robert Schwentke (2010)


Frank Moses (Bruce Willis) é um ex-agente da CIA que foi um sucesso quando atuava em operações especiais. E como todo agente de sucesso, tornou-se um ícone nos corredores da agência, ao mesmo tempo em que conseguiu fazer inimigos pelo mundo inteiro. Porém, agora fora de atividade e tranquilamente aposentado, tenta levar uma vida tranquila e usufruir de sua aposentadoria. Mas alguns antigos inimigos e a própria agência para qual trabalhava o querem morto, e isso não poderia ter acontecido em um momento tão inoportuno, já que Moses tem se envolvido de modo pessoal com uma mulher a quem conheceu em função do Seguro Social. Ela nem imaginava o que Moses fazia profissionalmente. E em meio a um violento jogo espionagem, os dois passam a ser caçados incessantemente tanto pelos inimigos de Moses como pelas autoridades, onde toda a sua experiência fará a diferença para que continuem vivos. Com a ajuda de outros agentes aposentados, Marvin (John Malkovich), Victoria (Helen Mirren) e Joe (Morgan Freeman), o casal junta forças fazendo que Moses declare guerra contra todos os seus inimigos que novamente o despertaram para o que ele sabe fazer de melhor: matar. “Red Aposentados e Perigosos” (RED, 2010) é um filme de ação estadunidense baseado em uma série de quadrinhos homônima (dividida em três edições), cujo título original (RED) é a denominação para “Retired Extremely Dangerous” (em uma tradução livre: aposentados e extremamente perigosos). Com excelentes cenas de ação em um toque de humor apurado, o diretor Robert Schwentke entrega um filme divertidíssimo.

Se o grande chamariz de uma produção estrelada por Bruce Willis são as cenas de ação, o diretor Robert Schwentke acerta ao adicionar boas tiradas de humor nessa produção, que apesar do roteiro simplista e nada inovador, quando não confuso, “Red Aposentados e Perigosos” revela-se um ótimo programa de entretenimento. Com cenas de ação explosivas, slow motions bem empregados, e atuações divertidas, a condução de Schwentke apenas materializa o que estampava as páginas de sua fonte criativa. Repleto de personagens excêntricos (Helen Mirren empunhando uma sniper com uma habilidade cirúrgica, ou John Malkovich no auge de uma interpretação paranoica e cômica), o elenco principal entrega personagens desprovidos de originalidade, mas favorecidos pelo carisma conquistado por uma sólida carreira. O que diga Morgan Freeman, que mesmo com pouco tempo de tela, mostra porque faz parte do time dos letais agentes. Enquanto isso, a atriz Mary-Louise Parker, o par romântico de Willis, desencadeia boas piadas, mas nenhuma química romântica que flua com naturalidade. E se o conjunto de entretenimento se mostra positivo, isso se deve as descompromissadas atuações entregues pelo elenco de astros acima de qualquer suspeita. “Red Aposentados e Perigosos” está longe de ser capaz de abordar qualquer tipo de aspecto sério do mundo da espionagem, como também de um relacionamento improvável desenvolvido sob fogo cerrado, mas em contrapartida diverte muito.

Nota:  7/10
_____________________________________________________________________________


4 comentários:

  1. Filme agradável que realmente merece elogios por possuir ação e bom humor, como você mesmo cita.

    Boa opção para diversão

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Que pena que a sequência não foi melhor ou pelo menos equivalente.

      abraço

      Excluir
  2. Considero uma boa sacada reunir veteranos num filme que visa apenas a diversão.

    Ainda não vi a sequência.

    Abraço

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. E bota diversão nisso. Gostaria que a maioria dos filmes de Bruce Willis fossem acertados como esse. "Duro de Matar 5" foi um completo desastre, que é um de inúmeros exemplos.

      abraço

      Excluir