sexta-feira, 25 de maio de 2012

Crítica: Os Perdedores | Um Filme de Sylvain White (2010)



Essa fita tem suas origens nas HQs – as mais remotas origens – criadas originalmente no final dos anos 60, pelo Rober Kanigher, onde seus personagens estavam ambientados em missões especiais na II Guerra Mundial. Era uma forma do autor de rever o papel americano dentro da história dos confrontos armados ocorridos, aplicando uma liberdade poética, e desmitificando verdades incontestáveis e por fim, causando consequentemente uma reação de reflexão. Anos depois, pós “11 de setembro”, o clima de aflição voltou com que foi chamado de “Guerra ao Terror”, quando noticiários explosivos sobre o Iraque e Afeganistão, tomavam a atenção da população novamente, criando um ambiente apropriado para a editora relançar um material mais contemporâneo dos personagens de Kanigher. Assim em 2003, porém roteirizada por Andy Diggle e desenhada por Jock, através do selo adulto da Vertigo/DC, ressuscitaram o grupo secreto midiático composto por: Clay, Roque, Vira-Latas, Jensen, Cougar e posteriormente pela Aisha – ainda preservando o título original (The Losers). O filme "Os Perdedores" (The Losers, 2010), mantém a trama similar as suas origens. O grupo, que articula ações militarizadas pelo mundo, busca vingança contra a CIA e, especialmente contra um agente chamado Max. Junto ao grupo especial, alia-se Aisha, também uma agente especial, que permanece ainda na ativa na agência, e passa a colaborar com a equipe de vingadores.



Os perdedores é um bom filme de entretenimento, justamente por que suas origens já se assemelhavam a um storyboard que esperava para ser filmado. Bem arquitetado e cheio de boas sacadas típicas que o cinema de ação requer, infelizmente também detém todos os defeitos possíveis ocorridos em produções do gênero já visto antes. Sua narrativa é tão ágil, que tonteia o espectador menos acostumado. Para um público típico da "Geração MTV", não vai passar de um clipe bem grande. E com essas características de formato, não deu para elenco e direção mostrar a diferença, ou algo magistral, nem ao menos um trabalho relevante em frente às câmeras, apesar de um elenco cativante e eclético como: Jeffrey Dean Morgan, Zoe Saldana, Idris Elba, Chris Evans e Jason Patric. Com cenas que se alternam entre a ação e o humor, bem característico hoje em dia nesse gênero, consegue tirar umas boas risadas e causar um efeito até positivo, mas nada muito original que ninguém ainda não tenha visto em outros derivados desse gênero. Exceto na aplicação da trilha sonora, um elemento que praticamente contracena com o elenco, tamanha a importância que lhe foi dada. Os ponto mais positivos dessa produção ficam destinados a direção de arte, pela escolha do formato e design dos cartazes de divulgação, criando verdadeiras capas de revista em tamanho gigante. "Os Perdedores" é fiel as suas origens em vários aspectos. Contudo isso não quer dizer que seja fenomenal, mas apenas divertido e muito, mas muito parecido com o remake de "Esquadrão Classe A" lançado simultaneamente. Sua exibição nos Estados Unidos não foi bem recebida, por isso talvez tenha sido lançado aqui no Brasil direto em DVD. No entanto, entre acertos e erros, não foi de todo mal, terem lançado esse filme direto em vídeo, até porque, por mais legal e bacana que tenha ficado, melhor mesmo será vê-lo em uma “Sessão da Tarde” daqui a uns dois anos.

Nota: 6,5/10


2 comentários:

  1. Acho que a unica coisa que eu gostei nesse filme foi o personagem do Chris Evans, no fim eu me arrependi de ter assistido, poderia ter visto outros filmes que tenho no pc.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Gostei da cena do elevador: hilária! Também gostei da trilha sonora e de alguns outros detalhes que não valem serem mencionados. Particularmente o vejo como uma versão barateada de "Esquadrão Classe A", que também não é grande coisa.

      abraço

      Excluir