sexta-feira, 11 de agosto de 2017

Crítica: Guardiões da Galáxia Vol. 2 | Um Filme de James Gunn (2017)


Depois de salvar Xandar da ira de Ronan em “Guardiões da Galáxia” (2014), o grupo formado pelo terráqueo abduzido quando criança, Peter Quill (Chris Pratt), a renegada filha de Thanos, Gamora (Zoe Saldana), o vingativo sobrevivente, Drax (Dave Bautista), o guaxinim modificado geneticamente, Rocket (com voz de Bradley Cooper) e o bebê Groot (com voz de Vin Diesel), também conhecidos como Guardiões da Galáxia, precisam ajudar Peter a descobrir a desconhecida verdade de suas origens quando um misterioso personagem celestial chamado Ego (Kurt Russel) entra em cena como uma salvação e incógnita na vida desses heróis. Porém, novas ameaças surgem para destruir a forte aliança desse grupo, ao mesmo tempo em que velhos inimigos se tornam aliados para impedir que uma força devastadora consiga dominar a galáxia. “Guardiões da Galáxia Vol. 2” (Guardians of the Galaxy Vol. 2, 2017) é uma produção estadunidense de ação e fantasia da Marvel Studios escrita e dirigida por James Gunn. Este é décimo quinto filme do Universo Cinematográfico da Marvel (MCU). Na mesma linha de qualidade de seu antecessor, James Gunn entrega um filme espirituoso, divertido e repleto de momentos emocionantes. Para a surpresa de uma boa parcela de fãs, até mesmo superior ao seu antecessor.

Guardiões da Galáxia Vol. 2” é um filme de super-heróis extremamente divertido como deve ser. As cenas de abertura já dão prova disso, como a da enorme competência desse eclético grupo de heróis que no passado recente era desconhecido do grande público e que em 2014 surpreendeu muita gente nas poltronas do cinema. Personagens bem construídos a sua proposta, elenco carismático, efeitos visuais competentes e uma trilha sonora que era um show a parte, o primeiro filme barbarizou os fãs do gênero por sua qualidade. Em meio a incessantes risadas, o espectador era brindado com um espetáculo visual de primeira linha acomodado em uma história bem estruturada. Em sua sequência não é muito diferente, como também se mostra inclusive muito melhor por uma série de fatores representativos. Sendo que o enredo trabalha questões mal resolvidas do primeiro filme (o roteiro cria uma inesperada figura paterna para Peter com uma dupla função na trama); cria novas e criativas ameaças ao grupo (os embates entre os Guardiões e os Soberanos é sempre marcado de muitas emoções e risadas); confere justiça a certos personagens (o injustiçado Yondu, interpretado por Michael Rooker recebe um trato merecedor de herói também); ao mesmo tempo em que absolve outros personagens de seus pecados (a relação entre as irmãs Nebulosa e Gamora é mais aprofundada e gratificante do que no primeiro filme) e mostra que algumas consequências são resultantes das circunstâncias.

Com um elenco afinado, onde personagens como de Chris Pratt, Zoe Saldana, Dave Bautista e Michael Rooker se mostram a vontade dentro do enredo fantasioso da franquia, é curioso ver as melhorias dadas aos personagens em CGI. O bebê Groot é um bom exemplo disso. De uma expressividade peculiar dada pelos avanços dos efeitos visuais, sua minúscula presença na tela é dona de uma série de passagens bacanas ao longo do filme. O humor como marca registrada de produções do gênero, não é desperdiçada em momento algum. Rocket até ganha momentos onde alavanca algumas situações emotivas válidas e inesperadas. As piadas escrachadas e os comentários irônicos dos personagens principais são marcados de muita inteligência e astúcia dentro do enredo. As cenas de ação são brilhantemente conduzidas e os momentos dramáticos são muito bem articulados dentro do enredo e funcionam de forma bastante orgânica ao que se propõe fazer.

Sabe aqueles filmes que te surpreendem desde os primeiros minutos? Que você sabe que é legal sem causar dúvida. Que você sabe que pode agradar a toda família? Sabe aqueles filmes que você sente um desejo de revisitar ocasionalmente, seja pelas cenas marcantes, pelas sequências de ação bem feitas ou pela trilha sonora legal? Sabe aqueles filmes que você mal pode esperar para sua sequência ser lançada? Sabe? Eu acho que “Guardiões da Galáxia Vol. 2” é um desses filmes legais, que passam rápido diante dos olhos, mas grudam por muito tempo na memória do espectador. Uma sugestão: não deixe de ver todas as cenas extras que são distribuídas ao longo dos créditos finais, pois detem algumas piadas extras e informações interessantes sobre o futuro do Universo Cinematográfico da Marvel.

Nota:  9/10
_________________________________________________________________________ 

Nenhum comentário:

Postar um comentário