sexta-feira, 29 de julho de 2016

Crítica: Vingadores – Era de Ultron | Um Filme de Joss Whedon (2015)


É unanime assegurar que a empreitada de superar o resultado de seu antecessor não era uma missão fácil para o cineasta Joss Whedon. Sendo que “Vingadores”, de 2012, um dos maiores blockbusters lançados pela produtora Marvel e que havia se mostrado ao grande público como uma das obras mais bem sucedidas do cinema da aventura dos últimos anos, a meta de superá-lo era quase que previsivelmente impossível de ser realizada. Embora a primeira reunião orgânica de diversos personagens diferentes em um único longa-metragem acabou superando expectativas de crítica e público no final das contas, era lógico que sua sequência seria esperada com uma carga de anseio maior. Mas era provável também que a superação não se mostraria tão cedo em vista do obstáculo que se infligiu a si mesmo. Além do mais, essa crescente miscigenação de vários filmes interligados em uma corrente evolução do universo cinematográfico da Marvel que se expandia a cada ano dificultava ainda mais a tarefa. Mas “Vingadores – Era de Ultron” (Avengers Age of Ultron, 2015) é uma produção estadunidense de aventura e fantasia que obteve com êxito para surpresa de muitos, um nível de excelência considerável. Em sua trama acompanhamos Os Vingadores em busca do cetro de Loki, que está em posse da Hydra. Artefato recuperado, Tony Stark (Robert Downey Jr.) encontra nesse poderoso artefato a oportunidade de aperfeiçoar seu exército de robôs com a ajuda de Bruce Banner (Mark Rufallo) para criar uma inteligência artificial focada na proteção mundial e evitar desastres como os ocorridos em “Os Vingadores”. Mas a ideia acaba dando errada, gerando a criação de Ultron (com voz de James Spader), um robô de conceitos e motivações muito diferentes das quais foi idealizado e que tem o propósito de levar a paz através da destruição total da humanidade. Assim os Vingadores terão que se unir para salvar a humanidade dessa inesperada ameaça.

Vingadores – Era de Ultron” tem tudo que se esperava dessa épica produção: longas sequências de ação seguidas de ação; muitos efeitos visuais de um primoroso requinte que somente a Marvel Estúdios é capaz de imprimir; alguns novos personagens (como os gêmeos Mercúrio, interpretado por Aaron Taylor e Feiticeira Escarlate, interpretada por Elizabeth Olsen); um aprofundamento de personagens conhecidos da franquia que conferiu algo novo ao que se tinha como certo; boas passagens de humor não apenas disparadas por Robert Downey Jr. e um vilão bastante peculiar (totalmente em CGI e que talvez seja uma das maiores sacadas dessa produção). Embora tenha tudo que é positivo para engrandecer o alcance dessa franquia, também possui uma barreira implacável. A dificuldade de comportar todas as suas qualidades de forma justa a todos os personagens em uma única produção. Ainda que o roteiro de Joss Whedon nesse episódio toque na possibilidade, ele não consegue dominar com a mesma habilidade que antes. Mas o filme se eleva com a excelência de suas qualidades que são brilhantemente distribuídas ao longo dos 143 minutos de duração. A exploração de algumas novas nuance sobre os costumeiros personagens da franquia Vingadores (no caso da vida pessoal do Clint Barton interpretado por Jeremy Renner); um suposto romance proibido entre Viúva Negra e Hulk; além da estratégica inserção dos aprimorados gêmeos na trama e a inesperada apresentação de Visão (interpretado por Paul Bettany).

Personagens como os de Robert Downey Jr. (Homem de Ferro), Chris Evans (Capitão América), Chris Hemsworth (Thor), dispensam aplausos. Suas participações são as que costumeiramente mais fitam olhares. Mais do que a vontade em seus papéis, suas interpretações somente são dificultadas pelas complexidades do enredo que não são resolvidas pelo roteiro. Mas o destaque está por conta de Ultron. Inteligente, sarcástico, bipolar e de um visual bastante arrojado, sua criação se mostra mais do que acertada. Sua presença em tela se mostra realmente ameaçadora aos heróis, como o desafio de superá-lo se mostra muito mais complexo do que na empreitada anterior, já que para combatê-lo é preciso acima de tudo compreender suas intenções. Muito da personalidade de Ultron é herança de Tony Stark (uma sacada do roteiro), como o visual também segue a linha estética proposta pelos robôs de Stark. Outra surpresa se encontra na presença de Veronica (um robô customizado por Stark) que protagoniza um dos grandes embates dessa produção. Joss Whedon não economiza nos efeitos visuais, nas cenas arrebatadoras de ação e menos ainda no artifício costumeiro do gênero em inserir alguma piada no calor do momento.

Vingadores – Era de Ultron” não é aquilo tudo que muitos fãs da franquia esperavam, mas também não é diferente do que era necessário para fazer sucesso. Diversão comprometida com o divertimento e que não abala a qualidade que a Marvel tem imprimido em seus trabalhos. Equilibra com precisão o desejo de divertir com a necessidade de dar continuidade. 

Nota:  8,5/10
_____________________________________________________________________________

Nenhum comentário:

Postar um comentário