quinta-feira, 25 de dezembro de 2014

Crítica: O Fabuloso Destino de Amélie Poulain | Um Filme de Jean-Pierre Jeunet (2001)


Amélie Poulain (Andrey Tatou) é uma jovem parisiense cuja infância foi equivocadamente reprimida por razões errôneas em relação a sua saúde. Seus pais convencidos de ela ter um grave problema cardíaco a superprotegiam do mundo a obrigando consequentemente a criar um universo fantástico de sonhos. Já adulta, morando sozinha num apartamento no subúrbio de Paris e trabalhando em uma lanchonete como garçonete, ela continuava a conferir certa magia ao mundo que a cercava. Certo dia quando encontra uma pequena caixa, um tesouro perdido pertencente ao ex-ocupante de seu apartamento, ela traça um plano para devolver o bem ao antigo dono. E com esse nobre objetivo, Amélie Poulain ainda confere de modo naturalmente mágico um apoio às figuras que diariamente estão envolvidas com sua vida, além de inesperadamente encontrar no processo um verdadeiro amor. “O Fabuloso Destino de Amélie Poulain” (Le Fabuleux Destin d’Amélie Poulain, 2001) é um longa-metragem francês do gênero comédia-dramática que se mostrou um sucesso de público pelo mundo. Essa produção recebeu inúmeras indicações a prêmios em diferentes eventos pelo mundo. Dentre todas as indicações angariou vários prêmios em diferentes áreas, como também o filme recebeu (e ainda recebe) ao longo dos anos demonstrações mais do que merecidas de afeto e carinho do público e da crítica especializada. Escrito por Guillaume Laurant, o cineasta Jean-Pierre Jeunet entrega um filme sensivelmente charmoso, delicado nos detalhes e expressivamente otimista.


O Fabuloso Destino de Amélie Poulain” é pura poesia cinematográfica. Visualmente impecável, suas cores são brilhantes e cheias de vida que se enriquecem pelos enquadramentos bem utilizados. Inclusive em momentos onde a história de Amélie Poulain soe sendo ligeiramente triste, como em sua infância, a direção de fotografia de Bruno Delbonnel confere de forma inexplicável uma estranha alegria a passagem. Uma perfeita combinação de talento de interpretação e criação de uma atmosfera de conto de fadas que tem um equilíbrio exemplar. O efeito da fotografia adotado é a sobreposição de cores (vermelho e verde), que segundo o responsável tem inspiração no trabalho do pintor Juarez Machado, além de ter referência na obra de Vincent Van Gogh. O roteiro que gera várias situações divertidas, ora carregadas de emoção como também de bom humor (o arco da trama envolvendo o anão de jardim é genial), fazem do desenvolvimento da trajetória da protagonista uma bem-vinda história feita sob medida para agradar até aos mais sensatos dos espectadores. Andrey Tatou, uma atriz revelação que casa bem com a personagem encabeça o elenco que ainda está repleto de figuras delicadas e envolventes. Outra riqueza dessa produção se encontra na trilha sonora, de belas canções combinadas com uma orquestra instrumental influente que é impossível passar despercebida aos ouvidos. Essa mistura de comédia e drama presente em “O Fabuloso Destino de Amélie Poulain” resulta num filme envolvente do começo ao fim por encontrar magia nas pequenas coisas da vida. Tornou-se facilmente uma obra cult e um clássico moderno que a cada ano cativa mais fãs. 

Nota:  8,5/10
__________________________________________________________________________

6 comentários:

  1. Já havia ouvido falar mas nunca li nada a respeito. Gostei da crítica.

    Ah, consegui assistir No Limite do Amanhã. Realmente muito bom.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Que bom que gostou da minha dica. Se um dia tiver oportunidade, assista a esse filme francês também. “O Fabuloso Destino de Amélie Poulain” é genial, tanto que de vez em quando dou uma revisitada. Gosto muito....

      abraço

      Excluir
  2. Concordo com as observações feitas à fotografia. Não à toa, há alguns anos foi eleito pela American Society of Cinematographers o melhor trabalho de direção de fotografia da década passada. Aliás, o filme todo é um prodígio de criatividade artística e técnica.

    Cumps.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Não sabia desse reconhecimento posterior Gustavo. Bacana mesmo. É interessante saber que um filme que foi tão marcante na época de seu lançamento ainda tem obtido ainda mais reconhecimento após todo esse tempo. Esse filme merece ser aplaudido por mais muitos anos.

      abraço

      Excluir
  3. adoro esse filme. beijos, pedrita

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Todos nós adoramos Pedrita. Gostaria que surgissem mais filmes assim em 2015, só para variar um pouco.

      abraço

      Excluir