quarta-feira, 17 de julho de 2013

Crítica: Os Gatões - Uma Nova Balada | Um Filme de Jay Chandrasekhar (2005)


Em uma pequena cidade sulista dos Estados Unidos, os jovens primos Luke (Johnny Knoxville) e Bo (Seann Willian Scott) são especialistas em arranjar encrenca. Dentro de um Dogde Charger alaranjado carinhosamente apelidado de General Lee, os dois jovens tem uma reputação bem conhecida de arranjar problemas e de se meterem em confusões: correm como loucos de carro pelas ruas da região, comercializam ilegalmente bebidas fabricadas pelo tio Jesse (Willie Nelson) debaixo do nariz da polícia, e arranjam intrigas amorosas que fogem do controle constantemente. Mas seus problemas começam mesmo, quando o poderoso da cidade, o coronel chefe Hog (Burt Reynolds) intenciona tomar as terras da família Hazzard para explorar petróleo. Assim a dupla de primos, com a ajuda da belíssima prima Daysy Luke (Jessica Simpson) farão de tudo para que os planos de Hog não tenham sucesso. "Os Gatões - Uma Nova Balada" (The Dukes of Hazzard, 2005) é um remake de uma famosa série de televisão lançada no final dos anos 70, onde cada episódio era estruturado nos seguintes moldes: a dupla espontânea de primos lutando contra algum ricaço sem escrúpulos da cidade, tendo a prima (uma beldade desfilando em tela) como atrativo para as aventuras embaladas pelo carrão descontrolado. Essa produção segue a mesma fórmula que consagrou o seriado, que automaticamente exala nostalgia, sem substância e muita diversão.


O diretor Jay Chandrasekhar leva à risca sua narrativa que homenageia o seriado gerando uma consequência: gerou um déficit arrebatador acerca do roteiro que acaba por desagradar quem não aprecia aventuras escrachadas - o resultado é quase uma paródia do sucesso da série. Embora isso não tire o carisma da produção necessariamente, já que todo conjunto da obra é explicitamente erguida em prol do entretenimento nostálgico e descompromissado, que esbanja diabruras por parte dos anti-heróis e sensualidade pela parte do elenco feminino, essa produção funciona. Se a sensual Jessica Simpson atrai os olhares dos marmanjos, a dupla de atores, Johnny Knoxville (Jackass, 2002) e Sean Willian Scott (Bem-Vindo à Selva, 2003) demonstra entrosamento com boas piadas e muita sacanagem mesmo sem ostentar interpretações primorosas, que agrada ambos os sexos. O personagem de Seann Willian Scott deve ser brasileiro de alma. Por quê? Por causa da quantidade de piadas acerca de seu carro e o ciúme que demonstra sobre ele - seu personagem praticamente o idolatra proporcionando ao espectador momentos muito bem aproveitados e divertidíssimos. Essa conveniente parceria rende boas risadas que até poderia ter rendido uma boa dupla de humor a longo prazo, caso essa produção não tivesse se saído tão mal nas bilheterias após ser ostensivamente alvejado por críticas negativas. Quanto ao restante do elenco principal, entre interpretações clichês o experiente Burt Reynolds está no auge da mediocridade. Com uma boa trilha sonora e boas cenas de ação e perseguições, o filme tem momentos inspirados que despertam empolgação e expectativa no espectador - o assalto do carro é uma loucura. 

"Os Gatões - Uma Nova Balada" não vai mudar a vida de ninguém, e até porque, mudanças não eram nem de longe a pretensão dessa produção. Trata-se sim, de uma típica aventura Hollywoodiana como tantas outras, com cenas de ação frenéticas, piadas preconceituosas e alguma nudez gratuita para colorir a película, e que no caso dessa, foi baseada num clássico seriado americano protagonizada por heróis incomuns, e que por aqui nem era visto como aquilo tudo. Essa produção teve um resultado meio que decepcionante nos cinemas, entretanto, talvez igual a sua inspiração, pode funcionar melhor na telinha mesmo.  

Nota: 7/10 






Nenhum comentário:

Postar um comentário