sexta-feira, 31 de maio de 2013

Crítica: O Profissional | Um Filme de Luc Besson (1994)


Uma das raras realizações do cineasta que marcaram e ainda se destaca no gênero

Um verdadeiro primor do cinema de ação, a muito esquecido, e que mesmo que pouco citado pode ser visto como referência no gênero. Uma mistura habilidosa de ação e inteligência que resultou em longa intrigante, erguido através de performances marcantes e uma estrutura sublime. A fita "O Profissional(Léon, 1994), acompanha a jornada de Léon (Jean Reno), um discreto assassino profissional que mora em um prédio, onde ao lado de seu apartamento, reside uma família, cujo pai age como traficante. No entanto um dia, alguns homens sob o comando do excêntrico Stansfield (Gary Oldman), invadem a casa dessa família executando um massacre, do qual a única sobrevivente é Mathilda (Natalie Portman) a filha de 12 anos, que encontrou refúgio no apartamento do vizinho. Após o massacre que dizimou sua família, a jovem cria uma improvável e curiosa amizade com o solitário assassino. "O Profissional" certamente é um dos mais bem dirigidos filmes de Luc Besson. Uma união bem sucedida do lirismo europeu com a estética exagerada do diretor na formulação das cenas e enquadramentos. Apesar de que outros filmes do cineasta extrapolam exageros, que nesse longa são mais respeitados e contidos, acrescentando seriedade a trama.



Apesar da direção competente de Besson, a maior força do filme consiste no elenco convincente e sensível com a história. Os roteiros de Besson são em sua normalidade, pobres e muito pretensiosos diante do escritor que realmente ele se apresenta. São roteiros caracterizados por excentricidade e falta linearidade.  Mas através de atuações interessantes do elenco principal, o elenco resgata a história do ostracismo e cativa o espectador a se emocionar com a relação da dupla principal, onde Léon se mostra a principio assustador, mas com a influência Mathilda em sua vida se apresenta notavelmente humano. Porém, Stansfield rouba a cena com seus exageros e devaneios carregados de excentricidade. Um vilão assustador e por vezes sinistro, ao se drogar, causando medo inclusive em seus comparsas que margeiam sua interpretação. Em resumo, "O Profissional" é um filme digno de ser visitado quando possível, caso o leitor não tenha visto. E relembrado com carinho por quem já viu. Mesmo tendo problemas, ganha disparado de outros filmes da filmografia de Besson. Contudo, a sua relevância maior reside mesmo como um excelente filme de ação policial capaz de emocionar e surpreender o espectador apesar do tempo.

Nota: 8/10

6 comentários:

  1. "a maior força do filme consiste no elenco convincente e sensível com a história.". Gostei disso.

    Gosto desse filme. Muita gente evita tocar no "erotismo", por assim dizer, que existe nele.

    Há algum tempo, fiz uma mini resenha a respeito: http://kleitongoncalves.blogspot.com.br/2012/02/nikita-lolita.html

    Tb concordo contigo quanto ao filme ser pouco recordado!

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. É. Tem um certo desconcerto de Jean Reno diante de algumas situações intencionadas por falas e gestos, mas tudo muito sutil, que pode passar desapercebido caso o espectador não acompanhe os acontecimentos com atenção. O resultado dessa relação veio com várias reações emocionais nas quais vejo a sensibilidade a que me refiro no post. Considerando as mudanças impostas que mudaram a rotina desses personagens, no caso de Reno, na qual ele canaliza suas forças (moldando Natalie Portman a sua imagem) mais do que a pedido dela, mas para que sua rotina retorne ao estado natural. Uma reação humana no mínimo interessante. A obra tem uma carga emotiva forte, apesar de pouco reconhecida. Lamentável.

      abraço

      Excluir
  2. Filmão que fez eu me apaixonar por Natalie Portman.

    Vejo pelo menos uma vez no ano.

    A música final é tocante e fecha o filme com chave de ouro.


    Elenco inspirado que combina com cada personagem.


    Bela lembrança.

    Parabéns.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. O engraçado é que não vejo muitas menções a esse filme na rede. Pena. Gosto muito dele também.

      abraço

      Excluir
  3. Cara, esse filme é melhor....sério mesmo. Para mim é claro. rs

    Só fui vê-lo tempos atrás, e pirei. Fácil, fácil se tornou meu filme favorito, por conta que o que me prendeu foram seus personagens, e não a ação.
    Sempre me emociono na cena final..quando ela coloca a planta no chão...e começa a tocar Shape of My Heart do Sting. Foda demais.

    Ótima postagem!
    E como consequência, vou ter que rever o filme....rs

    ResponderExcluir
  4. Engraçado como para mim é um dos melhores filmes de Besson, há tantas pessoas que ainda não viram. Como mencionei no post, acho que seja devido as poucas citações dele na mídia. Fico contente que tenha conferido e gostado do resultado. Espero que indique a outros que não conheçam como forma de dar o devido reconhecimento a um longo um pouco esquecido ultimamente.

    abraço

    ResponderExcluir