terça-feira, 16 de agosto de 2016

Crítica: Esquadrão Suicida | Um Filme de David Ayer (2016)


A morte do Superman trouxe a vida uma grave necessidade. A ausência de uma força heroica que pudesse intervir aos mesmos interesses que o homem de aço atendeu durante um momento drástico da sobrevivência da humanidade. Assim o governo dos Estados Unidos toma uma atitude tanto inesperada quanto improvável: criar uma força tarefa excepcional composta com os piores criminosos do mundo para agir de acordo com os interesses do governo. E o teste de funcionalidade dessa ideia veio quando uma perigosa e misteriosa entidade do passado surge para destruir a humanidade, entram em cena esses estranhos heróis que não tem nada a perder para salvar o mundo. Mas ao mesmo tempo, isso levanta uma imprescindível questão: o quanto eles estão realmente interessados em salvar o mundo ao lado da lei e da ordem? “Esquadrão Suicida” (Suicide Squad, 2016) é uma aventura de fantasia estadunidense baseada no eclético grupo de anti-heróis homônimo da DC Comics que é adaptada para o cinema por David Ayer. Adaptação essa marcada de uma série de irregularidades, essa segunda maior aposta da DC para o ano de 2016 se mostra uma produção rasa, que desperdiça a irreverência dos seus personagens e deixa os inúmeros buracos da trama e a montagem delirante em contraste com uma campanha de marketing bem bolada.

Existe um sentimento de desapontamento latente em “Esquadrão Suicida”. E isso é quase unanime. Embora não seja tão ruim quanto à crítica especializada tem o rotulado nos meios de comunicação (como o maior desastre desse ano), ainda assim está bastante inferior ao que se esperava. Após vários burburinhos de bastidores envolvendo Jared Leto (que interpretou a nova cara do Coringa) e alguns trailers espetaculares, era de se esperar um melhor acertamento no desenvolvimento da trama e personagens. O filme causava a ligeira impressão de ser a combinação equilibrada de uma série de boas sacadas que foram adotadas em outros filmes da rival Marvel no passado. Tudo indicava que esse projeto seria a opção de entretenimento mais bem sucedida desse ano para fãs do gênero ou não. Mas infelizmente para o grande público, fã ou não dos personagens, não foi bem assim que aconteceu. Se “Batman vs Superman – A Origem da Justiça” (2016) dividiu opiniões, ainda que se mostrasse infinitamente superior ao filme do “Homem de Aço” (2013), o trabalho de David Ayer deixa a desejar em vários aspectos. Para começar pelo roteiro confuso, caótico, que banaliza ações e não empolga. Desprovido de objetividade, o roteiro aproveita pouco da potencialidade dos personagens e os lança numa bagunça de enredo que obviamente não detinha um foco preciso. O que consequentemente dificulta o trabalho do elenco, que tirando a presença de o Pistoleiro (interpretado por Will Smith) e Arlequina (interpretada por Margot Robbie), os demais não passam de meras excentricidades de conveniência. No final das contas, a exploração de personagens não é realmente satisfatória e por várias vezes desperdiçada. O que diga sobre o Coringa (interpretado por Jared Leto), que se comportou de forma mais interessante nos bastidores, numa possível estratégia de composição de personagem, do que em cena.

A trilha sonora de “Esquadrão Suicida” é brilhantemente escolhida, com várias canções empolgantes, mas que não se mesclam ao enredo com a devida funcionalidade é uma incógnita. A sonoridade é fantástica, mas excessiva a certa altura. O filme está repleto de efeitos visuais de grande vislumbre (algo em seu desfecho me fez lembrar o primeiro “Caça Fantasmas), embora o artificio não compense de modo algum as outras deficiências narrativas encontradas tanto na trama quanto na condução da ação realizada por David Ayer que não leva o espectador a um desfecho interessante. As boas sacadas de humor foram praticamente todas utilizadas nos trailers, não restando muitas outras surpresas para o filme em si. Na verdade, o melhor dessa produção se encontra realmente nos trailers. Quase tudo está lá, inclusive à expectativa dos espectadores que esperavam ver uma produção memorável.

Nota:  6/10
_________________________________________________________________________

6 comentários:

  1. "desapontamento latente"... Bem... eu mesmo achei uma grande, ó, bosta.
    Abraços e espero que não deixe o blogue morrer.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Sim o filme está bem abaixo do esperado. Uma decepção infelizmente. Obrigado pela consideração quanto ao blog Kleiton.

      abraço

      Excluir
  2. Sempre gostei os filmes. São muito interessantes, podemos encontrar de diferentes gêneros. De forma interessante, o criador optou por inserir uma cena de abertura com personagens novos, o que acaba sendo um choque para o espectador. Desde que vi o elenco de Esquadrão Suicida imaginei que seria uma grande produção, já que tem a participação de atores muito reconhecidos, pessoalmente eu irei ver por causo do ator Jared Leto, é muito comprometido. Ele recentemente atuou em Blade Runner 2049. É um dos melhores Ficção Cientifica Filmes, e vale muito la pena ver, os recomendo muito.

    ResponderExcluir