terça-feira, 30 de dezembro de 2014

Crítica: True Lies | Um Filme de James Cameron (1994)


Harry Tasker (Arnold Schwarzenegger) tem uma vida dupla. Embora sua esposa Helen (Jamie Lee Curtis) acredite que ele não passe de um entediante vendedor de computadores, Harry é na verdade um renomado agente secreto do governo disfarçado para sua família se manter em segurança. No entanto, quando sua atenção está totalmente voltada para um perigoso grupo de terroristas que estão de posse de armas nucleares, algo inesperado vem a surpreendê-lo. Harry descobre que sua esposa tem se encontrado com outro homem, um mero vendedor de carros mentiroso que se diz espião, para com isso encontrar uma fuga da vida desinteressante que leva sendo apenas uma boa esposa. Assim Harry busca com muito jogo de cintura impedir que os fanáticos terroristas destruam o mundo, ao mesmo tempo em que procura conferir a sua esposa um pouco de aventura. Mas para sua surpresa seus dois problemas se colidem e seus segredos são revelados, como a difícil tarefa de salvar o mundo se intensifica pelo fato dele ter que salvar antes de tudo sua esposa raptada pelos terroristas. “True Lies” (Idem, 1994) é um filme de ação e espionagem dirigido pelo megalomaníaco James Cameron. Tendo como base um longa-metragem francês de 1991, chamado “La Totale” (um filme pouco conhecido realizado por Claude Zidi), seu remake é em suma uma fonte equilibrada de ação eletrizante e humor bem realizado que resulta numa genial obra de entretenimento que melhor aproveita as qualidades dos envolvidos e justifica o estrondoso sucesso de bilheteria da época e as inúmeras críticas positivas que colecionou ao longo dos anos.


Se Arnold Schwarzenegger é o que é, foi graças ao James Cameron (já que ambos estão simultaneamente envolvidos em dois dos maiores sucessos do cinema contemporâneo materializados nos episódios iniciais da franquia “O Exterminador do Futuro”),  e “True Lies” é o que é em função dos dois. Cameron é um dos poucos cineastas que conseguiram equilibrar como nenhum outro realizador as deficiências dramáticas do astro e aproveitar com êxito seu carisma e talento para a comédia. Por isso, quando Cameron mesclou um roteiro bem estruturado (de responsabilidade de Claude Zidi, Simon Michael e Didier Kaminka) com um elenco inspirado de protagonistas aos coadjuvantes (Arnold Schwarzenegger, Jamie Lee Curtis, Tom Arnold e Bill Paxton), criou cenas de ação geniais permeadas com efeitos visuais de primeira linha acrescentando uma dose refinada de humor repleto de boas piadas. O cineasta criou de certa forma uma sátira aos filmes de James Bond tão bem feita que chegou a ser superior ao homenageado na época. James Cameron famoso pelos orçamentos milionários, seus filmes geralmente são associados com otimismo ao critério custo e benefício (cada sequência mirabolante da ação criada pelo cineasta justifica o investimento pelo alcance positivo do resultado). Enfim, “True Lies” é um daqueles filmes impossíveis de não agradar ao espectador. Mesmo após quinze anos do seu lançamento, essa produção resiste à prova do tempo como poucos exemplares desse gênero. Engraçado e emocionante, impecável nos quesitos técnicos, esse filme é desprovido de falhas incômodas.

Nota:  8,5/10   
___________________________________________________________________________                    

4 comentários:

  1. É uma aventura extremamente ágil e divertida.

    Grande parceria entre Cameron e Schwarza.

    Abraço

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. O Schwarza sempre me deixou a entender que até ele acredita que somente Cameron é capaz de realmente resgatar seu prestígio do passado. Curioso né?

      abraço

      Excluir
  2. nossa, tinha tempo que não ouvia falar nesse filme. beijos, pedrita

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Assisti a esse filme esses dias, e estou certo em afirmar que ele não perde em nada para as aventuras de espionagem mais atuais. Esse é um dos aspectos de brilhantismo desse longa-metragem. Não são todos os filmes que envelhecem com saúde.

      abraço

      Excluir