segunda-feira, 10 de março de 2014

Crítica: Gravidade | Um Filme de Alfonso Cuarón (2013)


600 km acima do planeta Terra, a temperatura varia entre -100° C e 125° C. 
Não há nada que propague ondas sonoras.
Não há pressão atmosférica. Não há oxigênio. A vida no espaço é impossível.

O cinema de ficção cientifica sempre teve como um de seus principais objetivos, a criação ou recriação fiel de um planeta, que para o delírio dos espectadores materialize com fidelidade ou imaginação todo o perigo que o ser humano pode correr até mesmo diante de um mero contato. Os perigos ocultos do planeta desconhecido de “Alien O Oitavo Passageiro” (1979) que dizimou quase toda a tripulação de uma nave espacial, a primeira missão tripulada ao planeta vermelho em “Missão Marte” (2000), o futuro hostil ao qual o planeta Terra está destinado em “Depois da Terra” (2013), entre os outros mais que exemplifica o quanto esses planetas podem ser uma ameaça em potencial dentro de uma linha de objetivos pré-estabelecidos da ficção. Assim o cineasta mexicano Alfonso Cuarón vai além da recriação perfeita da estratosfera do planeta Terra, e apresenta através de “Gravidade” (Gravity, 2013), uma experiência emocionante que lança o espectador ao espaço explorando o quanto o vão que há entre os planetas (pouco explorado cinematograficamente) pode ser tão perigoso quanto o mais estranho ou familiar dos mundos criado pela ficção científica. Evidenciado por uma breve introdução informativa citada logo acima, Cuarón retira a segurança da gravidade de seus personagens e os lança a deriva pelo espaço (que leva junto o espectador) em uma produção que nivela com o máximo de realismo o ambiente orbital através de um espetáculo visual que levou anos para ser reproduzido. Em sua trama o espectador acompanha uma missão de manutenção do telescópio Hubble, que após um desastre onde a tripulação da nave Explorer é alvejada por destroços de um satélite deixa a inexperiente Dra. Stone (Sandra Bullock) e o especialista da missão, Kowalski (George Clooney) perdidos no espaço sem transporte para que possam voltar para casa.

Ganhador de 7 prêmios na cerimônia do Oscar 2014, incluindo o de Melhor Diretor a Alfonso Cuarón, o cineasta cria uma experiência inédita do cinema. Já regularmente mencionado como um dos poucos cineastas de autoria do cinema moderno, aqui ele apenas confirma as congratulations que seu “Filhos da Esperança” (2006) angariava com merecimento. “Gravidade” em suma é um espetáculo visual impressionante, com uma história sólida de perseverança e sobrevivência bem condicionada pela atriz Sandra Bullock, que possibilita que Cuarón mostre sua obra-prima. Com um elenco mínimo composto pelos rostos de Sandra Bullock e George Clooney, além de umas das poucas vozes do rádio, sendo uma delas de Ed Harris nas instalações da NASA, ao qual é chamado por Houston (o ator reprisa seu papel de controlador da missão desempenhado em Apollo 13, de 1995), Sandra Bullock é a atriz que nos conduz pelo espaço de forma mais presente. Ainda que George Clooney, um astronauta veterano cheio de histórias nostálgicas renda os momentos mais relaxantes desse longa, o filme é de Sandra Bullock que o segura de modo fantástico. Mas o combustível motor para fazer de “Gravidade” realmente um marco cinematográfico é a tensão revelada em sua premissa (uma astronauta flutuando no espaço sem chances de salvação). Por isso, numa cadeia de desastres que geram a emocionante ação brilhantemente reproduzida com realismo (a ausência do som atmosférico com efeitos sonoros fabulosos que permeiam as sequências de perigo imediato até chegam a sobrepor o impacto da ação), somos agraciados por sequências de tensão materializadas pelo esquivo da protagonista de um lixo espacial que lhe a alveja incessantemente quando menos se espera, pela escassez de oxigênio relevantemente enfatizada por controles mecânicos e uma remota chance de voltar para casa.

Gravidade” é um grande filme, produzido com que há de mais sofisticado em tecnologia de CGI (o filme praticamente estava esteticamente formado antes da inserção dos atores em cena), e que no papel sua história poderia ser teoricamente menos notável por seu improvável sucesso prático. Mas o roteiro de Alfonso Cuarón e seu filho Jonás, ambos injetam um material envolvente carregado de emoções e de uma profunda dramaticidade que preenche a narrativa de forma extraordinária, onde seu realizador apresenta uma aventura espacial acessível e fantástica ao mesmo tempo. Promete virar referência acadêmica para o futuro como “2001 – Uma Odisséia no Espaço” (1968) serve hoje.

Nota:  8,5/10
_____________________________________________________________________________ 

Alguns Efeitos Visuais de Gravidade promovidos pela empresa Framestore

Nenhum comentário:

Postar um comentário