segunda-feira, 23 de setembro de 2013

Crítica: Fora de Controle | Um Filme de Roger Michell (2002)


Gaven Banek (Ben Affleck) é um promissor advogado que trabalha com seu sogro, Stephen Delano (Sydney Pollack) para uma grande firma envolvida em uma causa milionária. Se tudo der certo, e ele jogar de acordo com o planejado, um futuro promissor o espera no final desse processo. Mas somente se tudo der certo, já que para algo dar errado não precisa de muito, sua situação não se mostra favorável. No caso de Banek, bastou Doyle Gipson (Samuel L. Jackson), um vendedor de seguros recuperando-se do alcoolismo que busca desesperadamente um empréstimo para comprar uma casa e salvar sua família traumatizada pelo seu vício, cruzar seu caminho. O acaso faz com que Banek bata no carro de Gipson, e nas pressas de levar documentos vitais do processo em que está trabalhando à Corte, o agitado advogado abandona o acidente e deixa Gipson no acostamento sem muitos esclarecimentos (além de fazê-lo perder seu compromisso e a chance de resgatar sua vida). Mas o acaso prega uma peça nesses dois homens de mundos tão diferentes, quando Gipson no caos das circunstâncias acaba ficando com uma pasta com documentos imprescindíveis para o sucesso de Banek. E o que poderia muito bem ser resolvido com uma boa conversa, toma contornos extremos que levam esses dois homens aos seus limites. "Fora de Controle" (Changing Lanes, 2002) é uma produção estadunidense instigante que explora com competência a visão de "um dia de cão" de dois homens, que diante da perda do controle de seu futuro, se abstêm de qualquer sombra de moralidade e jogam qualquer resquício de bom senso no lixo, resultando em um embate incontrolável.


Dirigido por Roger Michell (do recente "Um Final de Semana em Hyde Park, 2012"), sua condução se mostra mais do que eficiente. Explora bem a premissa (na qual o mundo contemporâneo muitas vezes faz homens de bem abandonarem o bom senso) em uma trama sem heróis e vilões. Sua condução se prende apenas em explorar o potencial de cada personagem ao extremo, onde que a direção tem como foco principal, demonstrar como o ser humano sem alternativas aparentes é capaz de abandonar a civilidade sem pestanejar. O roteiro de Chap Taylor se mostra inteligente em seu desenvolvimento, embora seja mais astuto por onde começa (não há ambiente mais apropriado que aflore a selvageria de um homem civilizado do que no trânsito). Com atuações impressionantes que materializam de modo convincente o drama dos personagens, tanto Ben Affleck, quanto o extraordinário Samuel L. Jackson barbarizam em suas interpretações. Com uma produção de desenvolvimento tenso e uma climatização que prende a atenção, perde alguns pontos pelo desfecho politicamente correto e óbvio da trama (quase uma necessidade de propagar esperança ao mundo real). Além de contar com a ajuda de um elenco de apoio que é um show a parte: Toni Collete, Sydney Pollack, Richard Jenkins e Amanda Peet. Por fim, "Fora de Controle" é um filme cheio de qualidades (técnicas e narrativas) que explora com maestria uma das tantas facetas da natureza humana (tanto boa quanto negativa) de modo fascinante como poucas produções do gênero.

Nota:  7/10
_____________________________________________________________________________
             

2 comentários:

  1. É um bom filme e como você citou, mostras as várias facetas da natureza humana, principalmente quando as pessoas precisam resolver algo e estão estressadas.

    A dupla principal está perfeita.

    Abraço

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Esse filme somente ficou bom em virtude dessa dupla. Com certeza! De Samuel L. Jackson até de se esperar (sempre ótimo), agora Affleck surpreendeu em uma época que ele ainda era ator mediano.

      abraço

      Excluir