quinta-feira, 3 de dezembro de 2015

Crítica: Belle | Um Filme de Amma Asante (2013)


Dido Elizabeth Belle (Gugu Mbatha-Raw) é filha ilegítima de um almirante britânico da marinha real chamado John Lindsay (Matthew Goode) com uma escrava do continente africano. Após a morte da mãe, a criança é levada para a Inglaterra onde passa a crescer sob os cuidados da família de John Lindsay, o tio magistrado, o conde Manssfeld (Tom Wilkinson) e sua esposa, onde criada de acordo com os preceitos aristocráticos da cultura inglesa, a jovem inclusive dividia as regalias da burguesia britânica ao lado da prima de mesma idade, Elizabeth (Sarah Gadon), embora fosse alvo de olhares e manifestações preconceituosas por parte da nobreza que a cercava. Numa época onde a escravatura era encarada com normalidade, e o preconceito reinava sobre o território britânico com grande força, uma reviravolta ocorre após a morte do pai. Seu legado é deixado para Dido, onde o manto de hipocrisias e os jogos de interesses começam a transparecer e o desejo de lutar contra o preconceito ganha mais força com o apoio do tio. “Belle” (Belle, 2013) é um drama histórico britânico baseado em fatos reais da vida de Dido Elizabeth Belle (uma engajada idealista negra que expressivamente influenciou com que a Inglaterra abandonasse a atividade de comércio de escravos). O filme escrito por Misan Sagay e dirigido por Amma Asante é um excelente drama histórico, que mesmo que segundo alguns historiadores, os acontecimentos retratados não sigam ou descrevam com total precisão todos os fatos ao redor da protagonista e do elenco de apoio, se mostra uma respeitosa e necessária transposição do tema da luta contra o preconceito racial dentro da história.

Belle” é a busca da identidade de uma jovem em tempos difíceis para a vida humana. É o abandono da afortunada condição a qual se encontra (ainda que com ressalvas capturadas pela câmera da realizadora), para acabar com a indiferença. O seu engajamento conjunto com o tio, um influente juiz e seu pupilo, com quem Belle teve um romance, resultou na materialização de um ideal que se transformou no seu devido tempo em um fato: a Inglaterra abandonou a atividade do comércio de escravos muito antes de inúmeros países, e como consequência, se inicia a revolução industrial. Amma Asante (realizadora de “A Way of Life”, 2004) teve como inspiração para o filme uma pintura de 1779. Ao esmiuçar com alguma precisão certos comportamentos da época (a divisão de classes, a necessidade do casamento para jovens como garantia de sobrevivência e a influência do contato de Belle sobre sua família), Amma Asante acerta na escolha do material complementar que é necessário para o desenvolvimento dos acontecimentos que giram em volta do centro da trama: o da bravura de uma mulher voltada para a mudança social. Com atuações funcionais, sem solenes destaques, uma reconstituição de época competente e extremamente elegante, sem delirantes exageros visuais e uma presença visual oportuna conferida por um condicionamento técnico inspirado, “Belle” se engrandece pela agradável variedade de detalhes bem compostos pela produção (a direção de fotografia é belíssima, mesmo sem cenários épicos).

Sem o prestígio de obras similares como “12 Anos de Escravidão”, um premiado drama dirigido por Steve McQueen, “Belle” impressiona aos atentos à filmes de época competentes. Isso não somente por sua forma, mas pela mensagem que a sua realização intenciona passar ao espectador que desconhece sobre a identidade e o feito dessa jovem mulher. Embora não seja impecável em sua totalidade, onde poderia ser menos longo aos olhos de alguns apreciadores menos convictos de filmes do gênero, o longa-metragem é um justo reconhecimento de uma figura histórica que é capaz de desencadear reflexão.

Nota:  7/10    
________________________________________________________________________ 
  

2 comentários:

  1. esse filme é incrível e mais incrível pq eu não tinha ideia que ele existia. maravilhoso! comentei aqui http://mataharie007.blogspot.com.br/2015/08/belle.html beijos, pedrita

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Oi Pedrita.

      Eu já havia lido sua postagem, tanto que fui buscar conhecer esse filme após ter sido apresentado a mim pelo seu blog. Show!

      bjus

      Excluir