domingo, 6 de agosto de 2017

Crítica: O Desinformante | Um Filme de Steven Soderbergh (2009)


Decatur, Estados Unidos, em 1992. Baseado em fatos reais, acompanhar a trajetória de vida de Mark Whitacre (Matt Damon), um ambicioso executivo da agroindústria é tão estranha quanto poderia ser à ficção. Em meio a uma rede desgovernada de mentiras criadas pelo próprio Mark, ele acaba se tornando um informante de grande valor para o FBI em um suposto caso de chantagem sobre a criação de um cartel sobre um produto relacionado à empresa na qual trabalha. No fim das investigações, os responsáveis foram presos, mas não sem antes algumas verdades improváveis virem a público. “O Desinformante” (The Informant!, 2009) é uma comédia dramática escrita por Scott Z. Burns e dirigida Steven Soderbergh. Baseado no livro do jornalista Kurt Eichenwald, publicado em 2000, o livro traça o perfil do protagonista dessa produção onde descreve em detalhes as inúmeras mentiras orquestradas sucessivamente por Mark Whitacre, as fraudes e o inesperado transtorno bipolar ao qual ele sofria e que o levaram a cumprir uma pena de 9 anos de prisão, recebendo a liberdade apenas em 2006. Embora não se trate de um filme necessariamente engraçado em sua essência, a atmosfera cômica que reina nessa produção aliada a uma história pedregosa consegue proporcionar alguns momentos de diversão ao espectador.

O Desinformante” está na mesma linha de filmes como: “Os Homens que Encaravam Cabras”, “Eu, Deus e Bin Laden” e “Sem Dor, Sem Ganho”. Ainda que todos esses filmes tenham sido vendidos ao público como comédias, de excepcionais premissas devo dizer, todas elas também são baseadas em fatos reais para a surpresa do espectador. Todas essas produções tiveram a sua premissa inspirada em fatos reais, levando o espectador a conhecer histórias malucas que resultaram em filmes estranhos. “O Desinformante” não é diferente. A premissa atraente, um protagonista incomum em uma história caótica de ser imaginada é a grande sacada dessa comédia. Seu enredo que prega o humor como atrativo é bem explorado, pela atmosfera cômica que lhe é dada e pelas atuações ajustadas do elenco. Matt Damon está muito bem no papel desajustado de protagonista, que produz uma quantidade enorme de mentiras patéticas que o faz se livrar e gerar mais problemas do que soluções. A figura de Mark Whitacre caiu como uma luva para Damon, que em muito lembra outros papeis que desempenhou sob o comando de Steven Soderbergh. A preocupante bola de neve que suas soluções rendem, só não é mais engraçada do que as reações dos agentes do FBI que ingenuamente não desconfiam de suas tramoias que são costuradas ao longo da trama.

O Desinformante” não é uma comédia de dar gargalhadas, mas consegue ainda assim divertir e ser um interessante passatempo. O problema é que seu alcance é curto pelo humor que embora bem feito em algumas passagens, não funciona na maior parte do tempo ou pela história, que cheia de rocamboles, também transpareça uma luta para se estender por mais tempo do que a premissa é capaz de oferecer material. É um filme razoável, um pouco abaixo da qualidade de outras obras de Steven Soderbergh e muito acima de outros filmes de Matt Damon.

Nota:  6,5/10
_________________________________________________________________________

2 comentários:

  1. incrível pôster que escolheu, eu gosto muito desse filme. volte e meia revejo trechos. eu gostei bastante, comentei aqui http://mataharie007.blogspot.com.br/2011/02/o-desinformante.html

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Não é um dos meus preferidos do diretor, mas com certeza é um das melhores atuações de Matt Damon. Embora eu esperasse mais após ver o trailer, ainda assim tem o seu valor.

      bjus

      Excluir